Avaliação – Chevrolet Camaro – um Sonho.

1
539

A Chevrolet nos cedeu, por apenas 4 dias, um sonho automotivo chamado Camaro para teste. É um verdadeiro Muscle Car americano – grande, largo, tração traseira, motorzão V8 que despeja 406 cv nos largos pneus traseiros. O carro estragou toda a minha referência de desempenho – ele chega a 100km/h em menos de 5 segundos, e tem a velocidade máxima limitada a 250km/h. E tem tanta força que 250 parece pouco.

 

Clique aqui para ler mais

O Chevrolet Camaro, que só vem para o país na sua versão mais apimentada, a SS, custa a partir de 203 mil reais. Parece muito, mas é muita diversão em um pacote só – o motorzão V8 entrega a força nas rodas traseiras através de um câmbio automático de 6 marchas, com opção de trocas sequenciais em botões no volante. O motor, a 120km/h, gira a cerca de 2000 giros, além de ter um sistema que desliga 4 dos cilindros quando o motor não está sendo exigido, o que contribui para o consumo. Mas… não exigir deste motor é mais ou menos como comprar um smartphone de última geração só para fazer ligações. Funciona, mas é desperdício.

O carro tem rodas aro 20, com pneus 245/45 na frente e 275/40 atrás, Pirelli PZERO (sim, o mesmo da Ferrari), e os freios são da marca BREMBO, a disco nas 4 rodas (a Brembo é uma das mais respeitadas marcas de freios esportivos do mundo), claro, com ABS, EBD e também tem controle de tração, que pode ser parcialmente ou totalmente desligado. Mas desligar o controle é um risco imenso – o carro tem tanta força que qualquer aceleradinha faz o carro arrastar os pneus, o que é um perigo para o motorista iniciante. Mas quem entende, se diverte.

Claro, o carro tem pontos negativos. O consumo apurado foi de 4,3km/l. Mas… a 203 mil reais, consumo não é a preocupação principal.  Outro ponto negativo é a falta de espaço para os 2 passageiros do banco traseiro – basicamente para crianças, pois o espaço é mínimo. A posição de dirigir, como todo esportivo, é baixíssima, com as pernas esticadas. Para um baixinho, como eu, é complicado. Mas é só pisar no pedal esquerdo que a gente esquece tudo. Que ronco…

O interior, mesmo um pouco apertado atrás, é muito bem acabado, com couro por todos os lados e uma iluminação do painel, que invade as portas, que parece saída de um filme de ficção científica, como pode ser visto nas fotos abaixo.

Na foto abaixo dá para ver claramente a inspiração do modelo no Camaro dos anos 60 – os indicadores na frente do câmbio, como no antigo, mostrando temperatura e pressão do óleo, voltagem e até temperatura da transmissão. São muito legais, mas você acaba nem olhando para eles, enquanto se diverte com o heads up display, que reflete informações no vidro, como velocidade e a rotação do motor, o que ajuda a manter a atenção na estrada.

 

O sistema de som, que tem nove alto-falantes, é de ótima qualidade, mas acaba esquecido – o gostoso mesmo é ouvir o ronco do V8.  Ah, além de 406 cv, o carro tem 56.7kg de torque. É mais do que a Blazer, que tem motor turbodiesel. É muita força. Ainda bem que tem controle de tração, estabilidade – e, se tudo der errado, ainda tem airbags dianteiros, laterais e de cortina.

Se vale a pena ter um Camaro? Bom… nada nessa faixa de preço anda tanto quanto ele, chama muita atenção na rua, anda demais e é lindo. Se você gosta de chamar atenção de verdade, compre o amarelo. Se não, o branco é seu carro. Mas se prepare para os comentários – andamos em uma cidade do interior com os vidros abertos, ouvimos comentários de todos os tipos!

olha aí o motorzão V8 do Camaro. Eita coisa linda de acelerar.

O porta-malas é até grande, para a proposta do modelo, embora a abertura seja pequena, por culpa do design. Abaixo, um das poucas faltas do modelo – ele não tem estepe, e sim um produto para selar o pneu e uma bomba para encher o pneu murcho. Em um país com péssimas ruas e estradas, é um risco, especialmente com pneus de perfil tão baixo.

A pior parte do teste? Devolver o Camaro, depois de rodar só 670km com ele. Deixou saudades.

Mais informações sobre o Camaro no site da Chevrolet

1 COMENTÁRIO

  1. Nunca entrei num desses (por enquanto) mas pelas fotos o acabamento interno e o conforto não são o ponto forte. A que o autor justifica o preço acima de 200.000? O motor V8? (e os impostos, claro)

RESPONDER

Comente aqui
Por favor, digite seu nome aqui