Todos que gostam de carros tem seus favoritos, em 110% dos casos, esportivos. Em rodas de amigos, falamos com um certo orgulho como tal modelo é feito com esmero, como tal marca gastou ‘X’ tempo na aerodinâmica, acerto de suspensão, etc.

Mas na vida real muitos de nós andam num carro pequeno. Na maioria das vezes, um popular. E vivemos falando “ah 1.0 é essa m3#$@ mesmo”, ou então nos referimos com “essa porcaria”. E basta ver os comentários de qualquer post sobre um popular com xingamentos e críticas ao mesmo, na maioria das vezes, infundadas.

É claro que não existe carro perfeito, cada um tem seus prós e contras, mas sempre discordei do exagero com que algumas críticas são feitas. Assistindo a um comparativo antigo do Top Gear, o mestre Jeremy Clarkson diz:

“Desenvolver um carro pequeno é difícil: Tem que ser sóbrio pra agradar os mais velhos e moderno o suficiente para torcer pescoços por onde passa. Deve que ser pequeno para lidar com o trânsito urbano e grande para levar 4 pessoas. Tem que ser econômico e ao mesmo tempo potente para encarar estradas. E além de tudo tem que ser bem equipado. E barato.”

Essa frase me fez refletir sobre quão difícil e trabalhoso é desenvolver um bom carro pequeno. Tantos compromissos que invalidam outros, ao menos teoricamente. Os engenheiros ‘tiram leite de pedra’ diante de tantos desafios, e merecem muito respeito e admiração por alguns milagres que vemos por aí. Ou vai me dizer que é fácil acondicionar motor, espaço para cinco pessoas, porta objetos, porta malas, equipamentos e segurança em menos de 4 metros? E além disso, um design moderno e funcional com restrições de custo?

Num esportivo podemos abrir mão de diversas coisas em nome do desempenho, mas num compacto, um compromisso que abrimos mão pode significar muitas vendas perdidas. Por mais simples e pequeno que seja, tenha a certeza que seu carrinho não deixa de ser um carrão, o resultado de muito trabalho de engenharia, pesquisa e desenvolvimento. Muitas vezes maior que a de modelos de segmentos e/ou propostas diferentes e preço superior.

Pensando bem, fazer bons carros pequenos é um desafio e tanto, digno de gênios.

Compartilhe este artigo:
  • Twittar este post
  • del.icio.us
  • Compartilhar no Uêba
  • Compartilhe no Orkut
  • dihitt
  • gafanhoto
  • linkk
  • Live
  • StumbleUpon
  • Technorati
  • GBuzz

Comentários

  1. Ei, mais respeito com os pequenos!:
    Todos que gostam de carros tem seus favoritos, em 110% dos casos, esportivo… http://bit.ly/fHVC8J

  2. Rafael disse:

    No meu 1º post no @Autozine, falo sobre algo que passa batido sobre carros pequenos http://bit.ly/ffyxNR

  3. RobsonB disse:

    Faltou considerar os pocket rockets… os pequenos poderosos.

    Mas mais trabalhoso que um compacto, pra mim, é observar como fazem os carros de plataforma K no Japão (com motores de até 600cc). Não são carros velozes, tampouco grandes, mas em ambientes urbanos e com o adendo de turbos para baixa/média rotação (ou mesmo turbos mais modernos que pegam uma gama extensa) aqueles carrinhos miúdos andam bem…

  4. Daniel disse:

    Eu tenho um Uninho 1.nada que está ótimo pelo seu propósito… Econômico (18km/l na BR), leve, rapidinho quando pisa fundo… Enfim cumpre bem o que promete… =D

  5. André disse:

    Excelente post, concordo plenamente. Tenho um Fiesta 1.0 2001, e é um carrinho muito satisfatório: confortável, bom motor ROCAM, agradável de dirigir… e em um dia de chuva, anda mais que um Veyron Spyder na estrada, pois pode chegar a até 160, enquanto o Bugatti não passa de 130 com aquele “guarda-chuva” esquisito em cima dos bancos, rsrsrs