Avaliação – Chevrolet Sonic Sedã

0
2309

Testamos o novo sedã da montadora americana, o Sonic, que veio para entrar no lugar do bem sucedido Astra sedã.  Rodamos mais de 700km com o modelo, incluindo cidade e estrada, e aqui vão nossas impressões.

Clique aqui para ler mais

O design do Sonic não lembra em nada o Astra. Parece bem mais compacto, porém ao colocar ao lado de um Astra, percebe-se que o novo modelo é maior, e bem mais moderno. A frente é agressiva, e os faróis chamam atenção por não terem uma lente inteiriça, e sim lentes individuais. Bem agradável.

A parte “estranha” fica por conta do vidro traseiro, que invade o teto do carro. É ótimo para a visão traseira, mas, no sol, “queima” a cabeça dos passageiros do banco de trás, o que pode ser amenizado utilizando uma película para escurecer o vidro.

As linhas do sedã são belíssimas, especialmente acompanhadas, na versão LTZ (a testada), pelas rodas aro 16 e pneus 205/55. O porta-malas comporta bons 477 litros, mas é menor do que seu irmão menor Cobalt ou de carros menores como Versa.

O desempenho do carro, que vem equipado com motor 1.6 16v com 116/120cv (gasolina/etanol) é bom, ajudado pelo câmbio automático – com 6 marchas, o câmbio tem as primeiras marchas mais curtas que o manual (disponível só no hatch), e a 6a marcha é mais longa que a 5a do manual, contribuindo para o bom consumo do carro. A rotação a 120km/h é só 2800 giros.  A velocidade máxima é limitada em 190km/h. O comportamento dinâmico do carro é ótimo – faz curvas muito bem, e dá gosto guiar na serra.

O consumo na estrada foi de mais de 12km/l, isso sem dó do acelerador. Ótimo para um carro deste tamanho, rodando na gasolina.

Uma das coisas legais é o “shift light”, um aviso no painel que diz quando mudar de marcha, ótimo para economizar combustível (só disponível na versão manual, hatchback)

O Painel segue a mesma linha da família Cobalt/Spin/Onix, porém mais com cara de moto. Realmente, o painel é destacado exatamente como um de moto esportiva. É fácil de ler e tem computador na versão topo de linha.

As linhas do resto do painel são inspiradas nas linhas do Cruze – são bonitas e tem vários porta-trecos. O rádio, de boa qualidade, tem entrada USB, bluetooth para ligar o rádio e está integrado ao painel, impossibilitando a troca. Uma das ausências inexplicadas do modelo é o GPS, assim como o ar-condicionado digital. Airbags são só os dianteiros, sem os laterais e de cortina, presentes no principal concorrente, que é o New Fiesta.

O Sonic sedã parte de R$53.800 na versão básica, a LT, que já vem com ar condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricas, freios ABS, Airbag duplo e câmbio automático e rodas aro 15.  A versão LTZ, topo de linha, parte de 57.600, e acrescenta sensor de estacionamento, apliques cromados, faróis de neblina, rodas aro 16 , volante e manopla do câmbio  e bancos revestidos em couro.

RESPONDER

Comente aqui
Por favor, digite seu nome aqui